quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Até a barraca abana (e, eventualmente, cai)

O que era...
... já não é.


E, sinceramente, deixa-me chocado! Na primeira manhã de trabalhos vi que estavam montados os andaimes e que uns homens se encontravam a desfazer já o telhado da casa. "Que bom" - pensei - "finalmente vai-se começar o restauro para conversão numa casa museu ou coisa semelhante, como há tanto vimos pedindo". Mas não. O trabalho que começou naquela manhã pelo telhado só parou com o arrancar dos alicerces. A casa não passa agora de uma memória.
Stuart Carvalhais morreu, mas pelos vistos os bonecos ainda andam aí.



(Mais) Um novo Blogue!



Tempos dúbios, estes. Tempos em que quem é político, bom político, digo, assume-se como cidadão comum. Tempos em que os não políticos se assumem como políticos. Tempos em que se distingue política de politiquice, ou de politiqueira, ou de politiqueirada, entre outros adjectivos merecedores de Pulitzer.

Um político é um curioso. Para qualquer indivídiuo, a cultura geral e o saber são características determinantes para o sucesso, seja ele a que nível for. O político é por natureza curioso. Sente a necessidade absoluta de saber tudo sobre todos os assuntos; devora jornais, crónicas de opinião e entrevistas tentando estar sempre actualizado e vivendo atormentado pela certeza de que nunca estará.

Um político opina. Falo de uma criatura que tem opinião formada sobre todo e qualquer assunto que se lhe apresente. Isto acaba sempre por declinar sobre áreas de actuação específicas... desde a educação à cultura, passando pelo desporto e juventude, continuando pelas áreas sociais e relações externas... o político pensa algo, geralmente muito mais sensato do que quem o rodeia.

Um político é levado em linha de conta. O que não falta por aí são pessoas curiosas e opiniosas, sempre dispostas a dar uma palavra sobre todos os assuntos. Desde os "treinadores de bancada" até aos "peritos rodoviários", Portugal está cheio deles! Mas a opinião do político é, geralmente, considerada séria e informada e, portanto, levada em linha de conta.

Um político afecta a realidade circundante. Ele está informado sobre os assuntos, tem opinião sobre eles, é ouvido pelos seus pares e acaba, eventualmente, por ter poder de decisão. Alguém decidiu que era boa ideia construir a Praça do Comércio e séculos após a morte do decisor, lá se mantém ela. Não um hospital ou uma universidade... A Praça do Comércio.

Às vezes escolhe-se ser político, outras vezes não. Mas uma coisa eu sei. Portugal não precisa de mais políticos anódinos. Portugal precisa de políticos!
(este post foi publicado no novo blogue - "A Torre" - em: http://atorre.blogs.sapo.pt)

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Será?

“Todo os governos são para quatro anos. São eleitos para isso”, afirmou Helena André ao ser questionada sobre se este governo tinha sido escolhido para durar apenas dois anos, à entrada da cerimónia da tomada de posse do novo governo de José Sócrates, no Palácio da Ajuda, em Lisboa. in, Diário Digital.

Gosto da ingenuidade dos novos Ministros. Gosto do optimismo da nova Ministra do Trabalho e da Solidariedade Social. Gosto de saber que durante os próximos 4 anos, tudo fará para impedir que a taxa de desemprego chegue aos dois dígitos. Gosto... Mas não acredito!




Decorreu este Domingo a acção de formação "Noções de Democracia", organizada pela secção de Queluz da JSD.
Cerca de vinte jovens debruçaram-se sobre a organização das estruturas e órgãos democráticos, debateram, colocaram questões e apresentaram vivências, no que foi um final de tarde produtivo e bem humorado.
A apresentação de apoio, criada para esta formação, será brevemente disponibilizada no website da JSD Queluz.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Do Plano Nacional de Leitura para o Ministério; Abram Alas para ...



Fala-se no nome de Isabel Alçada para o Ministério da Educação. Nada mais normal!
Se houve uma lição que José Sócrates retirou dos últimos actos eleitorais, foi a de que o mediatismo funciona. Nomes sonantes e caras bonitas funcionam mesmo. Digo isto não retirando o mérito eventual, que a eventual ministra, possa eventualmente ter. Mas, a verdade é que metade do caminho está percorrido à partida. Como criticar o trabalho de uma das inventoras das gémeas Teresa e Luísa, que levou os jovens da minha geração a ler mais que banda desenhada do Tio Patinhas? Impossível! Pode ser que este mediatismo todo sirva de véu e cubra dos olhos dos portugueses o aumento da carga fiscal que irá pagar o TGV. Por exemplo! Quem sabe?...

sábado, 17 de outubro de 2009

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Os resultados estão aí. E agora?


Resultados para a Assembleia de Freguesia:


PS: 3.796 votos

Mais Sintra: 3.249 votos

CDU: 1983 votos

BE: 810 votos

MMS: 211 votos


Queluz votou. E agora aguarda...

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

CASAL DE CAMBRA MAIS E MELHOR








O dia 11 de Outubro assinalou um marco de viragem e mudança nos comandos da nossa Freguesia.
Ao cabo de 12 anos de mandato do Partido Socialista, liderado pelo Sr. José Elias, a população decidiu inovar e apostar noutra equipa no intuito de obter um Casal de Cambra mais e melhor.
Uma palavra de apreço especial para à eleita Fernanda Santos e sua equipa a qual se empenhou com alma e dedicação, acreditando sempre que era possivel alcançar a meta proposta.
Porém esta vitória é totalmente dedicada à População de Casal de Cambra em geral, a qual, no passado Domingo, votou e acreditou que FERNANDA SANTOS seria a melhor opção para colocar um ponto final à dinastia Elias.
A única e exclusiva razão desta candidatura é Casal de Cambra e a sua População e é a eles que Fernanda Santos pretende servir da melhor forma possivel pois esta é a sua maneira de pensar e estar na sua vida pessoal e, como tal, na vida politica.
Por último resta-me saudar os adversários as duas forças politicas concorrentes ainda que, no caso em concreto do candidato pelo Partido Socialista tenha a lamentar as "estratégias" por este utilizadas durante a campanha eleitoral, tipicas de uma politica pouco democrática e saudável, sendo certo que não importa guardar qualquer rancor ou estimulo de vingança pois a quem cometia ditar a sentença condenatória das sua condutas, fê-lo claramente no dia 11 de Outubro.

Força Fernanda Santos, Força Coligação Mais Sintra, vamos lutar por um Casal de Cambra mais e melhor.
Rui Santos

segunda-feira, 12 de outubro de 2009


Porque em Casal de Cambra ganhou a vontade genuína de fazer, por oposição à arrogância do poder.

Porque em Massamá houve reconhecimento da boa relação entre Município e Junta, que resultou sempre no bem-estar da população.

Porque em Belas a JSD se uniu, como nunca antes, a uma causa maior e trabalhou motivada contra o boicote dos ressabiados.

Porque no Monte Abraão se preferiu lutar com justiça, a usar as mesmas armas da opositora.

Porque Almargem do Bispo revelou altruísmo na derrota e colocou o dever acima da ambição.

Porque em Queluz se sentiu a população, indivíduo a indivíduo, sem caciques ou ameaças.
Porque a JSD deu o seu melhor em todas as secções do concelho e manteve uma voz em Sintra.

O sentimento de dever cumprido deixa a consciência em paz e um sorriso face ao futuro.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Quando a solução passa por sermos nós a pescar o nosso próprio peixe...


Longe vão os tempos em que os objectivos profissionais se encontravam balizados pela procura de um emprego para a vida. Nos dias que correm, a globalização dos mercados, com as suas vantagens e desvantagens, impõe uma maior preparação por parte daqueles que iniciam o seu percurso profissional. Numa altura em que paira sobre os nossos jovens o espectro do desemprego cabe ao Executivo de Queluz procurar e alcançar novas soluções para os ajudar a enfrentar este problema.


Sinceramente, parece-me que as soluções vão além de mecanismos de auxílio na procura de emprego, pelo que acredito que o incentivo à iniciativa privada é um importante mecanismo, não só na luta contra o desemprego, mas também no estímulo à busca dos objectivos e concretização dos projectos da juventude de Queluz, permitindo-lhe dar mostras do seu contributo na área da produtividade e inovação na actividade empresarial da freguesia.


Assim, creio que não será de todo descabida a celebração de protocolos para criação de um gabinete de apoio às PME's e à iniciativa privada, onde todos aqueles que procurem começar o seu próprio negócio encontrem orientações quanto à melhor forma de o fazer, bem como auxílio na busca de soluções eficazes e inteligentes para o desenvolvimento da actividade.


De recordar que, segundo dados do IEFP, a cidade de Queluz, Belas, Casal de Cambra e Barcarena (Queluz-de-Baixo e Tercena) tinham 5741 desempregados em Junho.