sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

É já amanhã a MARATONA DE SETAS, na Secção de Queluz! Aparece a partir das 14h (Rua D. Pedro IV, 28 A)!





quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

A Política e a política


A proposta de lei do Orçamento do Estado foi apresentada pelo Governo à Assembleia da República.


Dispõe o n.º 2 do art. 36º da Lei n.º 91/2001, de 20 de Agosto (Lei de Enquadramento Orçamental) que "a votação da proposta de lei do Orçamento do Estado realiza-se no prazo de 45 dias após a data da sua admissão pela Assembleia da República".


Vejamos se os próximos dias de discussão e votação do Orçamento merecem, de facto, enquanto realidade estruturante do desenvolvimento do País, mais atenção pela parte da classe política e restante sociedade civil do que o debate sobre quem pode casar com quem.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

CONCERTO DE BOAS VINDAS AO ANO 2010 EM CASAL DE CAMBRA












Decorreu no passado dia 17 de Janeiro de 2010, no Salão do Edificio Centro Sócio Cultura de Casal de Cambra, o Concerto de Boas Vindas ao ano 2010 protagonizado pela Banda da Sociedade Filarmónica de Mira Sintra, bem como a entrega dos Diplomas aos finalistas do Curso RVCC 12º Ano, leccionado com o apoio da Junta de Freguesia.
O evento destacou-se pela grandiosidade e excelência da musica instrumentada pelos músicos pertencentes à Banda, a qual foi magnificamente dirigida pela Maestro Joaquim Rodrigues.
Este Concerto contou com casa cheia por parte da População de Casal de Cambra a qual mostrou no final o seu agrado pela iniciativa, dando consequentemente os parabéns à Presidente da Junta de Freguesia pela organização do espectáculo.
Estiveram ainda presentes entidades de relevo do nosso quotidiano, tais como o Exmo Senhor Vice Presidente da Câmara Municipal de Sintra, Dr. Marco Almeida, O Director da Confederação de Bandas Filarmonicas; O Comissário da PSP de Lisboa, O Pároco da Paróquia de Santa Marta de Casal de Cambra, A Presidente da Junta de Freguesia de Casal de Cambra e respectivo Executivo; diversos membros da Assembleia de Freguesia de Casal de Cambra e tambem a nossa Presidente da Comissão Politica da JSD de Queluz, Helena Coelho.
A JSD apresenta desde já os parabéns à Junta de Freguesia de Casal de Cambra, responsável pela organização do evento, fazendo votos de continuação de bom trabalho.




sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Turismo de brandos costumes?




"Ataque a ingleses com bastões e gás"

"Casal suíço foi espancado na sua vivenda do Algarve"

"Ataque violento a casal alemão"

"Medo leva pessoas a contratar segurança"

"Roubos e violações assustam britânicos"

Quando é que este tipo de notícias acaba? Será que existe alguém no Governo de José Sócrates, que se preocupe com a imagem turística da região do Algarve no exterior? Que respostas tem dado o MAI perante este fenómeno crescente? (Via Psicolaranja)

Maus Hábitos == Má Gestão

Com as chuvas que tem caído ultimamente as barragens ficaram à sua capacidade máxima, ao chegarem a esta as suas comportas tem de ser abertas provocando em várias partes do pais imagens como esta que vos trago.

É verdade que a chuva é muita mas será que as autarquias locais estão a trabalhar como deveriam?

Vejo os funcionários das juntas e das câmaras, que tem o dever de manter os espaços públicos, a correr para ir desentupir valetas e sarjetas porque estas não escoam a água provocando lençois de água e poças imensas que fazem surgir "crateras" enormes nas estradas Não deveria ser este um trabalho de prevenção feito nos últimos meses de verão e continuamente nos meses de outono onde as folhas caem abundamente?

No que é espaço público podemos chamar à atenção das entidades que gerem o que é nosso, mas quem chama a atenção aos proprietários dos terrenos e serventias que não mantém (limpeza e desobstrução) do que é seu, provocando constantemente desabamentos de terras e de muros para o espaço público (estradas principalmente) e para as propriedades dos seus vizinhos.

Nos dois gestores destes espaços privados e públicos existe os mesmos problemas:
- não existe uma visão e gestão a médio / longo prazo, ou seja, não se antecipam os problemas preferindo-se "desenrascar" conforme aparece;
-As estradas, auto-estradas (muitas acabadas de fazer) não tem escoamento de água correcto o que provoca aquaplanagem mas ninguém é responsável por isto.
- nunca ninguém é responsável pela consequências do mau tempo, os muros caem mas os donos não tem culpa de não manter o que é seu, as poças aparecem mas as autarquias não tem culpa de não ter mandado limpar, a terra corre e fica amontoada para as estradas mas ninguém tem culpa;

Vamos mudar estes velhos hábitos e vamos todos trabalhar para a excelência e para a cidadania, porque se TODOS fizermos bem o que nos compete as coisas aparecem feitas e TODOS temos melhor qualidade de vida.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

A Junta de Freguesia de Casal de Cambra, em parceria com a Banda da Sociedade Filarmónica de Mira Sintra vai realizar um evento no dia 17 de Janeiro de 2010, pelas 15:30 horas, no Salão do Edificio Socio Cultural de Casal de Cambra (Edificio onde se encontra instalada a Junta de Freguesia), um Concerto de Boas Vindas ao Ano 2010.
Durante o evento serão ainda entregues os Diplomas do Curso de RVCC 12º Ano aos respectivos alunos.
Este evento insere-se no programa cultural que o novo Executivo da Junta de Freguesia de Casal de Cambra pretende levar a cabo naquela freguesia.
A entrada é livre a todos aqueles que queiram assistir e desfrutar de uma tarde de Domingo divertida e enriquecedora.
A JSD saúda esta iniciativa na medida em que considera ser de grande importância para o desenvolvimento e dinamismo local tais acontecimentos.
Ao Executivo da Junta de Freguesia fazemos votos de continuação de bom trabalho.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010


O casamento ente pessoas do mesmo sexo foi hoje aprovado.


Segundo o líder da bancada parlamentar do PS, este é um "dia histórico". Realmente tem toda a razão. Um dia histórico em que 90 000 cidadãos viram a sua vontade ser desprezada.


Só espero que o "dia histórico" em que a adopação seja, igualmente aprovada, pois segundo Francisco Louçã o conservadorismo irá atenuar-se cada vez mais com o passar do tempo, esteja muito longe de chegar.
Posição Pública da Juventude Social Democrata sobre o Casamento entre Pessoas do mesmo Sexo

O Partido Socialista e toda a Esquerda preparam-se para fazer um autêntico “roubo da Democracia” dos cidadãos Portugueses.

Após a entrega na Assembleia da República de uma petição popular para referendo do casamento entre pessoas do mesmo sexo com mais de 90.000 assinaturas a JSD não pode aceitar que os Partidos da Esquerda pretendam recusar aos cidadãos portugueses essa vontade e direito legítimo a participar na política e vida democrática portuguesa.
Perante tão extraordinária mobilização popular e apelo dos cidadãos portugueses para que lhes seja dada a possibilidade de se pronunciarem directamente sobre este o casamento entre pessoas do mesmo sexo, é inaceitável que o Partido Socialista não queira afinal deixar os cidadãos portugueses participarem democraticamente e se pronunciarem através da figura do referendo que a Constituição portuguesa consagra.

Não está em causa a falta de legitimidade formal do Parlamento para decidir nesta matéria; e, a JSD defende o referendo não como forma de alcançar uma rejeição do casamento entre pessoas do mesmo sexo – vários militantes e dirigentes da JSD votariam favoravelmente ao casamento no referendo. O que está em causa é que o Partido Socialista, quando não lhe convém, recusa aos cidadãos a possibilidade de participarem na Política.

Como poderíamos depois disto pedir aos portugueses para se envolverem e participarem mais na vida política?

Em nome de uma democracia mais participada, considerando este extraordinário pedido de mais de 90.000 portugueses, e ainda atendendo que já vem sendo tradição que questões sócio-ideológicas “fracturantes” sejam amplamente discutidas por referendo (ex. o aborto), a JSD considera que o Parlamento deve aprovar o pedido popular de realização de referendo sobre a questão da admissibilidade do casamento entre pessoas do mesmo sexo.
Por isso mesmo, a JSD considera que o Parlamento não deverá votar favoravelmente a qualquer dos projectos legislativos que consagra o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A JSD é sensível e reconhece a importância de eliminar as discriminações que sofrem hoje os casais homossexuais.

Em primeiro lugar, a JSD não pode deixar de afirmar que se essas discriminações são um problema importante na sociedade portuguesa, não são contudo o problema de tratamento prioritário num momento em que a sociedade portuguesa enfrenta uma gravíssima crise económica, financeira e sobretudo social, em que o desemprego atinge valores históricos, e em que se pede aos políticos, aos partidos e aos órgãos de soberania que se foquem na resolução desses problemas prioritários.
Em segundo lugar, a JSD manifesta o seu apoio e concordância política com o projecto de lei do PSD que prevê a consagração da União Civil Registada entre pessoas do mesmo sexo. Esta solução proposta pelo PSD coincide aliás com a posição oficial da JSD que fora aprovada no seu último Congresso Nacional de Novembro de 2008, e que permite corrigir as discriminações injustificadas que hoje afectam os casais homossexuais.
Em terceiro lugar, a JSD reafirma o seu desacordo com a aprovação de qualquer solução legislativa que permita ou abra a porta à adopção por casais homossexuais, não só por se tratar de matéria que envolve um terceiro menor com interesse autónomo (enquanto que no casamento e união civil está em causa a relação bilateral entre duas pessoas maiores), como por se tratar de matéria que não foi objecto de mínima discussão pública na sociedade portuguesa.
Finalmente, considerando que este debate envolve a definição o modelo de sociedade humana e a ideia e papel da família, a JSD reafirma a necessidade de o poder político aprovar e executar medidas que promovam a família como pilar essencial da sociedade, assegurem a sua estabilidade e centralidade social, facilitem as condições para os jovens constituírem e alargarem as suas famílias, e incentivem a natalidade. O combate pela promoção da família está ainda por fazer em Portugal.

Lisboa, 7 de Janeiro de 2009

A Comissão Política Nacional da JSD