quinta-feira, 29 de julho de 2010

Feira Setecentista em Queluz




De 30 de Julho a 1 de Agosto, terá lugar, no Largo do Palácio Nacional de Queluz, mais uma Feira Setecentista. Esta feira pretende retratar os tempos áureos do Palácio de Queluz, e a entrada na mesma é livre.



Visitem Queluz, e visitem este evento, onde encontrarão personagens trajadas a rigor de acordo com a época setecentista.



No ano passado não faltou animação, e os petiscos servidos "à moda" do século XVIII não deixaram nada a desejar. Por todos estes motivos, visitem esta feira que se realizará das 17h às 23H30 na sexta-feira e das 15h às 23h30 no Sábado e no Domingo.




terça-feira, 27 de julho de 2010

Pré-Bolonha e Pós-Bolonha - Uma Opinião


Tarda mas não falha!
Um pouco por todo o lado cresce a revolta dos licenciados pré-Bolonha, por precisarem de estudar para que lhes seja conferido o grau de mestres.

Dir-se-ia que os grandes prejudicados seriam os abrangidos pelo Processo de Bolonha, despejados no (já de si) difícil mercado de trabalho com responsabilidades acrescidas (afinal, são mestres), mas sem a bagagem necessária. Não! Parece que os grandes prejudicados somos nós, alunos pré-Bolonha.
Posso concretizar no meu exemplo pessoal. Procurando o grau de mestre, duas hipóteses surgem. Por um lado, em apenas um ano e por metade do preço, poderia tirar o mestrado na mesma faculdade onde me licenciei, num curso redundante, que nada traria a mais ao meu conhecimento, mas que num truque de magia chiclete poria o almejado cartaz na parede.

Por outro, poderia igualmente sentir uma lacuna na minha formação, derivada do trajecto profissional imprevisível à época da licenciatura, que me force a procurar formação séria. O grau de mestre é um agradável bónus.

Pessoalmente, mais uma vez, optei pelo segundo. Começo em Setembro.

O mestrado deve surgir no seguimento da vontade de estudar e da sede de saber. Bem sei que, hoje em dia, um indivíduo com o 9º ano pode passar a ter o 12º apenas por conseguir escrever a sua biografia em sessenta páginas. Também sei que, um aluno da faculdade que estude os mesmo anos que eu estudei, sai com um mestrado. Mas, sobretudo, sei que o que deve ser substituído é a cultura do grau académico pela cultura do saber e, mais que isso, do saber fazer.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Ainda as SCUTs



Nunca apreciei o conceito de "sem custos para o utilizador"; acredito mais no "utilizador pagador".

De qualquer forma, o PS ganhou as eleições com base no pressuposto de que as SCUTs se manteriam tal qual estavam. Foi a esse pressuposto que foi buscar a justificação para o aumento do imposto sobre os produtos petrolíferos, que provocou à altura o aumento brusco no preço final para o utilizador de combustíveis.


Falando de interioridade, regiões, e desertificação, não podemos simplesmente "meter tudo no mesmo saco". Assim, divido as auto-estradas portuguesas em dois grandes grupos e crio uma possível excepção a esta norma.


No 1º grupo incluo todas as auto-estradas que ligam o litoral ao interior ou que ligam cidades do interior, como por exemplo:

A25 (Aveiro - Vilar Formoso)

A23 (Torres Novas - Guarda)

A24 (Viseu - Chaves)


No 2º grupo teremos auto-estradas que cortam o país longitudinalmente e junto à costa ou as que servem os grandes centros urbanos, por exemplo:

A1 (Lisboa - Porto)

A2 (Lisboa - Albufeira)

A8 (Lisboa - Leiria)

Todas as auto-estradas da Grande Lisboa e do Grande Porto.


Excepção para a Via do Infante, que poderia ser portajada apenas durante a época alta (Junho a Setembro).


Com crise ou sem ela, o governo deve eleger como principal prioridade a protecção do interior do país, as condições de vida aí e a capacidade de desenvolvimento de tecido empresarial.

domingo, 11 de julho de 2010

Para lá da "margem..."

Quem olha para isto pode até ficar com uma ideia de dinâmismo, de progresso e de trabalho, para além do que já vinha sendo feito no anterior mandato. Puro engano. A verdade é que o PS local segue na perfeição o modus operandi que o seu Secretário-geral já vem aplicando há muito, à frente dos destinos do país. A imagem é tudo. O resto, pouco importa...

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Torneio de Sueca


Realiza-se no próximo Domingo, dia 11 de Julho, o I Torneio de Sueca da JSD Queluz!
A iniciativa terá lugar na sede da secção de Queluz do PSD, na Rua D. Pedro IV, 28 - A.

Aparece para uma tarde divertida de cartas e muita conversa à mistura!

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Foi trazida, à última Assembleia Municipal (estranhamente, pelo Partido Socialista), uma temática bastante discutida da actualidade local - o realojamento de famílias provenientes de barracas do município da Amadora, no Concelho de Sintra.

Para os muitos que não se encontram dentro do assunto, o município da Amadora adquiriu em meados de Maio, para efeitos de realojamento e sem discutir políticas de integração social ou outras junto do executivo camarário, cerca de 19 fogos no concelho de Sintra.

A estratégia não é inovadora já que, ainda no mandato da Dra. Edite Estrela, a Câmara da Amadora realojou cerca de 40 famílias no nosso concelho, sem qualquer tipo de acompanhamento posterior ao nível social ou a qualquer outro.

A Amadora, município investidor em jardins, lagos artificiais e pistas de ski continua a não encontrar resposta eficaz aos inúmeros bairros sociais e aos seus problemas inerentes. Como tal, vai "empurrando", da forma mais subtil que pode e sabe, esses grupos para os municípios contíguos.

Numa intervenção de defesa acérrima dos interesses dos sintrenses, Marco Almeida, vice-presidente da Câmara Municipal de Sintra, marca uma posição sobre esta polémica.


segunda-feira, 5 de julho de 2010

VOTO DE CONGRATULAÇÃO OU MERA CRITICA?

No passado dia 30 de Junho realizou-se a Assembleia de Freguesia de Casal de Casal de Cambra com vista, entre outros assuntos, à apreciação da situação financeira e relatório de actividades do 2º trimestre do ano 2010.

Porem, no periodo antes da Ordem do Dia, foi-nos apresentado (Bancada da Coligação mais Sintra) bem como à Bancada da CDU, um "voto de congratulação" por parte da Bancada do Partido Socialista que consiste numa proposta para que a Assembleia deliberasse saudar o primeiro aniversário da elevação de Casal de Cambra a Vila.

Até aqui tudo normal não fosse a "critica em jeito de lamentação" levantada ao Executivo da Junta de Freguesia pela ausência de lembrança desta data, que no entender do Partido Socialista se deveria assinalar no dia 12 de Junho.

Não pode a Bancada da Coligação mais Sintra deixar de se opor a este voto, não pelo sentido do mesmo que consiste na lembrança desta data importante para a nossa freguesia, mas antes pela critica infundada que dirigiu ao Executivo.

Isto porque a data referida pela Bancada do Partido Socialista como sendo aquela que assinala o aniversário da elevação de Casal de Cambra a VILA, consiste no dia em que foi aprovado em Assembleia da Republica o projecto de lei, ignorando-se assim a promulgação da Lei e consequente publicação da mesma.

Relembro que a elevação de Casal de Cambra a Vila efectivou-se pela Lei 51/2009, publicada em Diário da Republica no dia 05 de Agosto de 2009, tendo entrado em vigor no dia 11 (após vacatio legis).

Resulta dai que, a data de comemoração do aniversário da elevação de Casal de Cambra a Vila ocorre no dia 11 de Agosto (data de entrada em vigor), podendo aceitar-se, no limite, tambem o dia 5 de Agosto (data da publicação do diploma), mas NUNCA o dia 12 de Junho, na medida em que nesta data o que se aprovou foi somente um projecto lei.

A Bancada do Partido Socialista tentou refutar este argumento alegando que a data de nascimento da Lei ocorre com a sua Aprovação em Assembleia da Republica e não com a sua publicação em Diário da Republica, referindo-se ao acto de promulgação e publicação da Lei como "meros procedimentos administrativos ou juridicos".

Mais referiu aquela Bancada, através do seu Lider, que a data de aprovação em Assembleia da Republica estava para a Lei, como a data de nascimento estava para uma pessoa, pois o que conta é a data de nascimento e não a data do registo na conservatória de registo civil.

Perante isto, a Bancada da Coligação mais Sintra lamentou tal analogia na medida em que a mesma não tinha cabimento, relembrando o Lider da Bancada do Partido Socialista que o nascimento da Lei apenas se verifica com a sua publicação em D.R. e consequente entrada em vigor, pois até ai estamos perante o processo de concepção da mesma. Mais acrescentámos que a falta dos tais "procedimentos administrativos ou juridicos" como se referiu em jeito de actos menores e sem relevo, implicam tão somente a INEXISTÊNCIA da norma no Ordenamento Juridico Português e consequentemente a NÃO ELEVAÇÃO de Casal de Cambra a Vila.

Pensando nós termos sido suficientemente convincentes, ficámos incredulos com o voto favorável das Bancadas da oposição (PS e CDU) àquele "Voto de Congratulação", pelo que o mesmo foi aprovado por maioria.

Lamentamos por isso a falta de rigor juridico e politico neste pequeno particular, pois vimos o Executivo da Junta de Freguesia de Casal de Cambra ser injustamente criticado sem fundamento.

Julgamos que a critica é sempre positiva quando construtiva, encarando este "VOTO DE CONGRATULAÇÃO, onde o próprio nome parece ter sido cirurgicamente escolhido" como um acto mesquinho e desprovido de qualquer razão, não pela lembrança da data mas pela alegada falta de lembrança do Executivo, o que mais uma vez lamentamos.

Quanto a nós, Bancada da Coligação mais Sintra, estamos solidários com o Executivo e daremos todo o apoio a este caso pretendam assinalar o 1º aniversário da elevação de Casal de Cambra a VILA, não no mês de Junho mas antes no mês de Agosto, repondo assim verdade e realidade dos factos.
Continuamos disponiveis para trabalhar, conjuntamente com a Assembleia de Freguesia e Executivo da Junta, em prol dos fregueses de Casal de Cambra e do bem-estar e evolução da nossa Freguesia, mas não compactuamos de forma alguma com este tipo de "expedientes" infundados e sem sentido que apenas têm, a nosso ver, como objectivo criticar de forma destrutiva e particular e não de forma construtiva e geral como deve acontecer.